Relações com Investidores > Informações Financeiras > Capitalização

Capitalização

A tabela a seguir apresenta, a partir das demonstrações financeiras preparadas em conformidade com o IFRS, a capitalização do Minerva em 30 de setembro de 2019.

30 de setembro de 2019
(em milhões de Reais)
Caixa e bancos 3.614,2
Total do endividamento de curto prazo 2.026,8
Total do endividamento de longo prazo 7.732,3
Total do patrimônio líquido -767,2
Capitalização Total(1) 8.991,9

(1) A capitalização total é a soma do endividamento de curto e longo prazo e do patrimônio líquido.

Em janeiro de 2007 , o Minerva realizou por meio da subsidiária integral Minerva Overseas Ltd. uma captação no valor total de US$200 milhões, por meio de uma emissão de notas, no mercado externo, com vencimento em 01 de fevereiro de 2017 (prazo de 10 anos para pagamento de principal) e cupom de 9,5% ao ano, pagáveis semestralmente nos meses de fevereiro e agosto de cada ano. Ao realizar tal emissão, o Minerva assumiu uma série de compromissos restritivos perante os detentores dos títulos, dentre os quais incorrer em endividamento acima de um determinado limite e pagar dividendos maiores do que 50% do lucro líquido ajustado no exercício.

Em janeiro de 2009, o Minerva realizou por meio da subsidiária integral Minerva Overseas II Ltd. uma captação no valor total de US$250 milhões, por meio de uma emissão de notas, no mercado externo, com vencimento em 26 de novembro de 2019 (prazo de 10 anos para pagamento de principal) e cupom de 10,785% ao ano, pagáveis semestralmente nos meses de fevereiro e agosto de cada ano.

Em julho de 2010, o Minerva realizou por meio de contrato de emissão de Debêntures a captação de R$ 200 milhões com vencimento em julho de 2015.

Em agosto de 2011, o Minerva realizou por meio de contrato de emissão de Debêntures Mandatoriamente Conversíveis a captação de R$ 190 milhões com vencimento em agosto de 2015.

Em fevereiro de 2012, a empresa captou com grande sucesso US$ 350 milhões através da emissão de Notes no mercado internacional, com vencimento em fevereiro de 2022 e cupom de 12,250% ao ano. A demanda pelos títulos de dívida do Minerva chegou a mais de cinco vezes a oferta inicial, mostrando a evidente confiança do mercado nos fundamentos de longo prazo e na estratégia da companhia. Em março de 2012 a empresa realizou o Re-Tap da operação e captou mais US$ 100 milhões, totalizando US$ 450 milhões.

Em 20 de junho 2012, a Companhia realizou uma oferta pública de debêntures não conversíveis em ações, com esforços restritos de colocação, nos termos da Instrução da CVM 476, no montante total de R$450,0 milhões, com vencimento em 20 de janeiro de 2022. As debêntures são remuneradas a uma taxa de 16,95% ao ano. Os recursos foram destinados ao plano de investimentos da Companhia.

Em 29 de outubro de 2012, o Conselho de Administração da Companhia aprovou a realização de oferta pública de distribuição primária e secundária de ações de emissão da Companhia ("Oferta"). No âmbito da Oferta, foram emitidas 37.500.000 novas ações ordinárias da Companhia e alienadas 7.500.000 ações ordinárias de titularidade do acionista VDQ Holdings S.A., ao preço de R$ 11,00 (onze reais) por ação. Em reunião do Conselho de Administração da Companhia datada do dia 28 de novembro de 2012 foi aprovado o aumento do capital social da Companhia no montante de R$ 412.500.000,00 (quatrocentos e doze milhões e quinhentos mil reais). Em 28 de dezembro de 2012, no âmbito da referida Oferta, o Banco de Investimentos Credit Suisse (Brasil) S.A. ("Agente Estabilizador") exerceu parcialmente a opção outorgada pela Companhia para a distribuição de um lote suplementar de 262.900 de Ações, a fim de atender ao excesso de demanda verificado no decorrer da Oferta ("Opção de Ações Suplementares"), resultando no total de 37.762.900 Ações emitidas pela Companhia, no montante de R$ 415.391.900,00.

Em 17 de janeiro de 2013 a companhia anunciou a Emissão de Novas Notes no montante total de US$ 850.000.000,00, com juros de 7,75% ao ano, que teve encerramento no dia 13 de fevereiro de 2013. Com os recursos obtidos fora recomprados US$10.685.000 do montante principal das Notas 2017, equivalente a aproximadamente 32% das Notas 2017 em circulação, US$317.976.000 o montante principal das Notas 2019, equivalente a aproximadamente 85% das Notas 2019 em circulação e US$320.137.000 do montante principal das Notas 2022, equivalente a aproximadamente 71% das Notas 2022 em circulação. As notas foram colocadas no mercado internacional e ofertadas somente a investidores institucionais qualificados, residentes e domiciliados nos Estados Unidos da América, com base na regulamentação emitida pela Securities and Exchange Commission, especificamente, a "Rule 144A", e, nos demais países, exceto no Brasil e nos Estados Unidos da América, com base na "Regulation S". Em agosto de 2014 a empresa realizou o Re-Tap da operação e captou mais US$ 200 milhões, totalizando US$ 1.050 milhões.

Em 18 de janeiro de 2013, a companhia realizou o resgate antecipado da totalidade das debêntures da 1ª (primeira) Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, com Garantia Fidejussória, para Distribuição Pública, com Esforços Restritos, da Companhia, pelo valor de R$ 203.912.712,24 (duzentos e três milhões, novecentos e doze mil, setecentos e doze reais e vinte e quatro centavos).

Em 27 de março de 2014 a Companhia anunciou a conclusão da emissão de notas perpétuas no mercado internacional no montante de US$ 300 milhões, com juros de 8,75% ao ano por meio de sua subsidiária integral Minerva Luxemburgo. A emissão das notas teve como objetivo alongar o prazo médio de vencimento da dívida da Companhia e melhorar a estrutura de capital, através da utilização de um instrumento diferenciado de captação, diversificando ainda mais a base de investidores. A liquidação da operação ocorreu no dia 3 de abril de 2014.

Em 08 de setembro de 2016 a companhia anunciou a Emissão de Novas Notes no montante total de US$ 1.000.000.000,00, com juros de 6,50% ao ano, que teve encerramento no dia 29 de setembro de 2016. Com os recursos obtidos foram recomprados US$ 617,874.000 do montante principal das Notas 2023, equivalente a aproximadamente 71,18% das Notas 2023 em circulação. As notas foram colocadas no mercado internacional e ofertadas somente a investidores institucionais qualificados, residentes e domiciliados nos Estados Unidos da América, com base na regulamentação emitida pela "Securities and Exchange Commission", especificamente, a "Rule 144A", e, nos demais países, exceto no Brasil e nos Estados Unidos da América, com base na "Regulation S". Em junho de 2017 a empresa realizou o Re-Tap da operação e captou mais US$ 350 milhões, totalizando US$ 1.350 milhões.

Em 2 de outubro de 2017, a Companhia realizou uma captação no valor total de R$ 350 milhões, por meio da emissão de Certificados de Recebimentos do Agronegócio pela CIBRASEC - Companhia Brasileira de Securitização, lastreados na 5ª (quinta) Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, em Série Única, para Colocação Privada da Minerva.

Em 16 de outubro de 2017, a companhia realizou o resgate antecipado da totalidade das debêntures da 4ª (quarta) Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, com Garantia Fidejussória, para Distribuição Pública, com Esforços Restritos, da Companhia, pelo valor de R$ 155.761.470,57 (cento e cinquenta e cinco milhões, setecentos e sessenta e um mil, quatrocentos e setenta reais e cinquenta e sete centavos).

Em 05 de dezembro de 2017 a Companhia anunciou a Emissão de Novas Notes no montante total de US$ 500.000.000,00, com juros de 5,875% ao ano e vencimento em 2028. Parte dos recursos obtidos foram direcionados para recompra das Notas com vencimento em 2023 remanescentes e que pagavam juros de 7.750% ao ano, enquanto o restante foi direcionado para pagamento de dívidas de curto prazo. As notas foram colocadas no mercado internacional e ofertadas somente a investidores institucionais qualificados, residentes e domiciliados nos Estados Unidos da América, com base na regulamentação emitida pela "Securities and Exchange Commission", especificamente, a "Rule 144A", e, nos demais países, exceto no Brasil e nos Estados Unidos da América, com base na "Regulation S".